domingo, 11 de julho de 2010

Livros exaltam a volta do macho sensível


Xico Sá dá dicas para a recuperação da macheza perdida e Fabrício Carpinejar fala sobre "gay heterossexual"



Todas as mulheres são devedoras do feminismo que, na década de 1960, batalhou por um espaço mais digno para o chamado "segundo sexo". Mas era necessário perder as gentilezas dos homens, que antes não permitiam que as companheiras abrissem a porta do carro ou pagassem a conta?

Ora, "Chabadabadá", de Xico Sá, e "Mulher Perdigueira", de Fabrício Carpinejar, estão aí para tentar recuperar o macho perdido e, com ele, a adoração pelas mulheres.

Xico Sá, com humor afiado e marcado pela boemia, faz um retrato das relações em tempos de "homens frouxos", em que o "macho-jurubeba" está sendo substituído por homens bem-vestidos, perfumados, maquiados -os chamados metrossexuais.

Segundo ele, nunca foi tão difícil ser macho: os tipos contemporâneos trocam uma boa costeleta por molhinhos de frutas exóticas.

Pode parecer simplista, mas o prato de comida diz muito sobre alguém, assim como os cremes que ele (não) usa, a coragem ou o medo de se entregar, de dizer "sim" ou "não" na lata e não "a gente se vê", a grande bobeira dos "tempos de amor líquido e sexo sem compromisso".



GAY HETEROSSEXUAL

Xico dá dicas essenciais para a recuperação da macheza perdida, como voltar para casa com o clássico pacote de pães debaixo do braço, escrever cartas de amor -à mão!- ou retomar o hábito de pedir em namoro.

Poderíamos pensar que Carpinejar é o homem que Xico abomina, mas está longe disso. A macheza é outra, as crônicas revelam um homem doce, um "gay heterossexual", como define, distante da vaidade metrossexual.

O que sobressai nos textos é o cuidado, a atenção com a mulher, tão raros hoje. Que mulher não gostaria de ouvir frases como: "Não me interessa um tempo comigo quando posso dividir a eternidade com alguém"?

Enquanto a maioria dos homens reclama do ciúme, da prisão do relacionamento, Carpinejar quer a mulher perdigueira, contraditória.

E também faz propostas, como a carteira assinada para marido para evitar que ele seja dispensado facilmente.



SEDUÇÃO PERMANENTE

Trata-se de um homem que não sabe namorar, só casar, que vê no dia a dia a grande construção do amor e que não sente compaixão por Romeu e Julieta, que conheceram "o ímpeto do amor, não o amor".

Cada um a seu modo, propõem a volta de antigos valores, a recuperação do homem macho e doce. Nos livros, sobressai o amor pela mulher, a sedução permanente, o prazer da reconciliação.

Se você for homem, faça um favor à espécie: leia esses livros que ensinam a ser macho sem perder a ternura. E, se for mulher, Xico e Carpinejar são homens para levar para casa. Mas, como as mulheres nunca estão satisfeitas, o ideal seria levar os dois, um para cada dia da semana.



TATIANA SALEM LEVY


CHABADABADÁ
AUTOR Xico Sá
EDITORA Record


MULHER PERDIGUEIRA
AUTOR Fabrício Carpinejar
EDITORA Bertrand Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário