terça-feira, 27 de abril de 2010

É preciso ser denso para ser leve..


É preciso ser leve como uma brasa, não como uma chama.
Leve como um aceno, não como um grito.
Leve como uma horta, não como um jardim.
Leve como um livro, não como uma página.
Leve como um poema, não como um verso.
Leve como uma duna, não como o vento.
Leve como um vestido, não como um lenço.
Leve como o cristal, não como o vidro.
Leve como o pão, não como a migalha.
Leve como um temporal, não como o relâmpago.
Leve como o varal, não como o casaco.
Leve como o telhado, não como a telha.
Leve como uma árvore, não como o fruto.
Leve como o caroço, não como o inseto.
Leve como as mãos, não como a aliança.
Leve como o mar, não como a espuma.
Leve como uma geada, não como a nuvem.
Leve como vinho, não como a fumaça.
Leve como a ofensa, não como o elogio.
Leve como o clarão, não como a lâmpada.
Leve como a pá, não como a faca.
Leve como o cavalo, não como a lã.
Leve como o armário, não como a gaveta.
Leve como o moinho, não como o chapéu.
Leve como o rosto, não como o pente.
Leve como o mel, não como abelhas.
Leve como a rocha, não como a erva.
Leve como uma varanda, não como a janela.
Leve como a voz, não como o silêncio.
Leve como a meia-noite, não como o meio-dia.
Leve como a despedida, não como a volta.
Leve como uma casa, não como um quarto.
Leve como as córneas, não como as moedas.
Leve como um corredor, não como um quadro.
Leve como uma escada, não como um degrau.
Leve como uma mesa, não como o prato.
Leve como o caráter, não como a opinião.
Leve como uma fome, não como o apetite.
Leve como desejo, não como a vontade.
Leve como o amor, não como a paz.
Leve como o corpo, não como o sangue.
Leve como uma porta, não como um pêndulo.
Leve como o inverno, não como o verão.
Leve como a confidência, não como o segredo.
Leve como a alegria, não como a euforia.
Leve como a memória, não como a papoula.
Leve como o balanço, não como a corda.
Leve como a insistência, não como a dúvida.
Leve como um casal, não como a solidão.
Leve como a boca, não como a língua.
Leve como a música, não como a palavra.
Leve como a migração, não como o pássaro.
Leve como o ninho, não como o ramo.
Leve como a pata, não como a asa.
Leve como uma cicatriz, não como o traço.
Leve como o espanto, não como a reza.
Leve como o medo, não como um morto.
É preciso ser denso para ser leve...

CARPINEJAR

Nenhum comentário:

Postar um comentário