segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Diz um aviso que li

De que serve a liberdade
Quando os livres têm que viver entre os não – livres?
Bertolt Brecht



Até tu, São Paulo?

A SÉRIE "Mad Men" ainda não estreou no Brasil. Lamento. Melhor é impossível. "Mad Men" é o retrato perfeito dos publicitários da Madison Avenue na Nova York sofisticada de 1960. Mas é mais do que isso. Um fresco sobre a grande transição americana: do aburguesamento dos "fifties" à contracultura dos "sixties". Do tédio à lixeira.

Um pormenor, porém, não deixa de causar espanto entre os filistinos: o fumo. Em "Mad Men", toda a gente fuma com uma naturalidade que nos parece herética. Dentro dos edifícios, fora dos edifícios. Mães, pais. Patrões. Empregados. E médicos, é claro, a começar por um ginecologista que segura o cigarro com uma mão e faz o exame com a outra. Equilibrismo puro.

Tanto fumo não deveria espantar. Pessoalmente, ainda recordo o tempo heroico em que o meu avô me levava ao cinema e fumava, em plena sala, do princípio ao fim.

E, historicamente, "Mad Men" está na viragem. Em 1950, Richard Doll publicava o primeiro grande ensaio científico sobre a relação direta entre fumo (ativo) e doença. Só em 1970 chegou o mito do "fumo passivo". Digo "mito" e digo bem. Ainda está para aparecer o primeiro estudo cientificamente rigoroso capaz de mostrar uma relação sustentada entre "fumo passivo" e câncer.

O que não significa que não existam estudos sobre essa hipótese. Christopher Booker, um especialista sobre as nossas histerias modernas, normalmente lembra dois. Os maiores e mais recentes. O primeiro foi realizado pela Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer, da Organização Mundial de Saúde. O segundo foi dirigido, durante 40 anos, por James Enstrom e Geoffrey Kabat para a Sociedade Americana de Câncer através da observação de 35 mil não fumantes que conviviam diariamente com fumantes. Resultados? Repito: um mito é um mito é um mito.

Mas a ideologia é a ideologia é a ideologia. De vez em quando, afirmo que alguns traços nazistas sobreviveram a 1945. Sou insultado. Não respondo. Basta olhar em volta para perceber que algumas das nossas rotinas médicas mais básicas teriam agradado ao tio Adolfo e à sua busca de perfeição terrena. Exemplos? Certas formas de eugenia "respeitável", praticadas por milhões de pessoas quando recebem uma má ecografia. Ou a demonização absoluta que o fumante moderno conhece nos Estados Unidos. Na Europa. E agora, hélas, em São Paulo.

Leio a legislação antifumo do Estado de São Paulo e reconheço a natureza totalitária dela, novamente dominada por uma ideia iníqua de perfeição física.

Tudo começa pela elevação da mentira a dogma: o dogma de que "fumo passivo" é um perigo fatal para terceiros. O dogma não é apenas fantasioso; é também perigoso, porque estabelece de imediato uma divisão moral entre os agentes da corrupção (os fumantes) e as vítimas inocentes (os abstêmios). É só substituir "fumante" por "judeu"; e "abstêmio" por "ariano" para regressar a 1933.

E regressar a 1933 é regressar a um mundo que desprezava a liberdade individual com especial ferocidade. A lei antifumo cumpre esse propósito. Proibir o fumo em lugares fechados, como bares ou restaurantes, é um ataque à propriedade privada e à liberdade de cada proprietário decidir que tipo de clientes deseja acolher no seu espaço. O mesmo raciocínio aplica-se aos clientes, impedidos de decidir livremente onde desejam ser acolhidos.

Mas o melhor da lei vem no policiamento. Imitando as piores práticas das sociedades fechadas, a lei promove a delação como forma de convivência social. Por telefone ou pela internet, cada cidadão é convidado a ser um vigilante do vizinho, denunciando comportamentos "desviantes". Isso não é regressar a 1933. É, no mínimo, um regresso à Rússia de 1917. Se juntarmos ao quadro uma verdadeira "polícia sanitária" que ataca à paisana, é possível concluir que o espírito KGB emigrou para o Brasil.

Finalmente, lembremos o essencial: os extremismos políticos só sobrevivem em sociedades cúmplices, ou pelo menos indiferentes aos extremistas. Será São Paulo esse tipo de sociedade?
Parece. A última pesquisa Datafolha é sinistra: a esmagadora maioria dos paulistas (88%) aprova a lei antifumo. Só 10% se opõem a ela. Só 2% lhe são indiferentes. Mais irônico é olhar para os fumantes: depois de anos e anos de propaganda e desumanização, eles olham-se no espelho, sentem o clássico nojo de si próprios e até concordam com a lei (77%).

Razão tinha Karl Kraus quando afirmava, na Viena de inícios do século, que o antissemitismo era tão normal que até os judeus o praticavam. Péssimo presságio.

JOÃO PEREIRA COUTINHO



"Fitter happier"

As leis draconianas impostas pelo governo Serra à população fumante de São Paulo têm um saudável caráter de estímulo a um debate público mais qualificado sobre o mundo em que vivemos.

Os argumentos pelo banimento do fumo são sólidos, basta ouvir um bom médico (tudo bem que a maioria dos que eu conheço fuma, ao contrário de mim).
Cigarro dá câncer e mil outras perebas. Vicia.

Tudo isso é verdade e, na prática, fico feliz em não ter que colocar para fora de casa a camisa usada numa noite em local enfumaçado.

Mas a questão é outra.


A sociedade do ultraconsumo ocidental busca mecanismos sociais para mitigar a aflição decorrente da inadequação de sua condição.

Busca no controle a compensação por seus excessos -vide o embate recente entre a humildade consciente de Bento 16 e a liberdade integral de Nietzsche.

No coletivo, o Estado oferta o controle.


É notável como a discussão se dá nas elites que querem ou não pitar no Fasano.

Esse tipo de lei não é para pobres, que continuarão fumando cigarro contrabandeado nas bibocas inacessíveis a fiscais.

Mas quem limita o Estado? Hoje é o cigarro, amanhã será a bebida. E depois?


Há incontáveis livros sobre o mal das sociedades perfeitas.

Quando o Estado começa a dizer como eu devo morrer, algo está errado.

Afinal de contas, morremos a cada segundo; cada inspiração oxida nossas células e nos encaminha para os braços da Ceifadora.


Ah, mas é muito custoso para o Estado. Aumente-se o imposto, faça a fabricante pagar a parte dela no SUS. Invista-se em educação.

Lógico que o fumo passivo tem de ser banido, mas uma vez que ainda é legal, o fumante deve ser preservado.


Mas caminhamos para outro lugar.

Para o mundo cantado pelo Radiohead em "Fitter Happier". "Mais em forma, mais saudável e mais produtivo/ um porco/ numa jaula/ usando antibióticos".


IGOR GIELOW

Nenhum comentário:

Postar um comentário