sexta-feira, 10 de abril de 2009

Do que somos capazes ?!

Adaptação do premiado livro escrito por José Saramago, mostra uma inexplicável epidemia chamada de "cegueira branca", já que as pessoas atingidas apenas passam a ver uma superfície leitosa, a doença surge inicialmente em um homem no trânsito e, pouco a pouco, se espalha pelo país.

À medida que os afetados são colocados em quarentena e os serviços oferecidos pelo estado começam a falhar as pessoas passam a lutar por suas necessidades básicas, expondo seus instintos primários.

Nesta situação a única pessoa que ainda consegue enxergar é a mulher de um médico, que juntamente com um grupo de internos tenta encontrar a humanidade perdida.



"O pretexto para análises existenciais parte de uma inexplicável e aterradora epidemia de cegueira. De um segundo para outro, sem nenhum fator lógico, uma após as outras as pessoas perdem a visão, e passam a enxergar tudo branco, e não preto, como seria a cegueira convencional. Sem distinção de cor, sexo, idade ou classe social. A doença equaliza a todos. Não há mais ricos e pobres, negros ou brancos. Só cegos. Com a única – e também inexplicável - exceção da personagem de Julianne Moore, uma mulher sem nome. Aliás, nenhum personagem tem nome no filme, o que enfatiza ainda mais o caráter nivelador da epidemia. A cegueira deixa mais claras as personalidades dos envolvidos. O verdadeiro interior de cada um vem à tona, para o bem e para o mal. Em meio à ignorância sobre o acontecido, a sociedade tenta se reorganizar, agora sob novas e implacáveis regras. Camadas de poder se (re)estabelecem. As leituras e sub-leituras da situação são inúmeras e instigantes."

Celso Sabadin




"GOSTO DOS romances e dos filmes apocalípticos, ou seja, das histórias em que algum tipo de fim do mundo (guerra nuclear, invasão extraterrestre, epidemia etc.) nos força a encarar uma versão laica e íntima do Juízo Final. Nessa versão, Deus não avalia nosso passado, mas, enquanto o mundo desaba, nosso desempenho mostra quem somos realmente. No desamparo, quando o tecido social se esfarela e as normas perdem força e valor, conhecemos, enfim, nosso estofo "verdadeiro". Somos capazes do melhor ou do pior: o apocalipse nos testa e nos revela. Os personagens de "Ensaio sobre a Cegueira" quase não têm história prévia, assim como a cidade em que os fatos acontecem (uma mistura de São Paulo com Toronto) é uma cidade moderna qualquer, cujas particularidades não contam. Essa, justamente, é a beleza do gênero: o surgimento quase abstrato de uma situação extrema, em que se trata de escolher e agir a partir de nada. O passado, o lugar não contam: os personagens são definidos por suas escolhas aqui e agora. A oposição caricata dos bons e dos ruins expressa a incerteza do espectador, do leitor e do autor: 'Você, se, por uma misteriosa epidemia, o mundo ficar cego, se o reino da lei acabar e começar a idade da luta pela sobrevivência, de que lado estará? Do lado dos que inventarão novas formas de abusos ou dos que descobrirão novas formas de respeito e de vida comum? Uma vez perdida a visão, o que você enxergará no seu vizinho: mais uma mulher para estuprar e um otário para explorar ou um irmão, perdido que nem você?'"

CONTARDO CALLIGARIS


video

Nenhum comentário:

Postar um comentário